quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Arcebispo de Salvador divulga nota sobre greve da Polícia Militar na Bahia

A arquidiocese de Salvador (BA) emitiu ontem, 7, uma nota sobre a greve dos policiais militares do estado da Bahia. O arcebispo metropolitano, dom Murilo Krieger, participou, como intermediador, das negociações entre grevistas e governo do estado.
Dom Murilo falou de seu papel como intermediador e no fim fez um apelo: “Como mediador, não me cabe falar do resultado das negociações. O que posso assegurar é que não me alinhei com nenhuma das partes, porque meu compromisso era e é com o povo da Bahia. A Bahia quer paz; a Bahia precisa de paz; a Bahia tem direito de ter paz. Por isso, venho agora conclamar todos  - isto é, Governo, associações de militares, homens e mulheres de boa vontade – para, juntos, construirmos a paz”, disse o Primaz do Brasil.
Leia agora a íntegra da mensagem de dom Murilo Krieger, arcebispo de Salvador:
Nota oficial da arquidiocese de Salvador da Bahia sobre a greve de parte dos policiais militares do estado
Diante dos tristes acontecimentos dos últimos dias, que tiraram a paz da cidade de Salvador e do Estado da Bahia, senti-me na obrigação de colocar-me à disposição tanto do Governo do Estado como das entidades representativas das diversas associações que congregam militares da Polícia Militar para, pelo diálogo, se conseguir a conciliação.
Aceita minha mediação, coloquei minha casa à disposição de todos para os encontros que, em horas assim, se fazem necessários. Minha oferta foi acolhida e, praticamente ao longo de vinte e quatro horas, ali estive reunido com tais representantes.Como mediador, não me cabe falar do resultado das negociações. O que posso lhes assegurar é que não me alinhei com nenhuma das partes, porque meu compromisso era e é com o povo da Bahia.
A Bahia quer paz; a Bahia precisa de paz; a Bahia tem direito de ter paz. Por isso, venho agora conclamar todos  - isto é, Governo, associações de militares, homens e mulheres de boa vontade – para, juntos, construirmos a paz. A paz é um dom de Deus e, por isso, devemos pedi-la; mas a paz é, também, fruto de nosso trabalho. Foi isso que afirmou Jesus no Sermão da Montanha: “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9).
Em vista do retorno à vida normal em nossas cidades, peço a você, meu amigo, minha amiga: desarme seu coração. Quem exige um desarmamento total, e não só dos corações, é o bem comum, é o bem da sociedade baiana. Nestes meus dez meses de Bahia, descobri que o povo baiano é acolhedor, é trabalhador e festivo; é um povo pacífico por natureza. Esse povo merece o melhor de nossos esforços e toda a nossa dedicação. Na luta pela paz não há vencidos nem vencedores: há irmãos e irmãs que merecem o respeito de todos.
Peçamos a Jesus Cristo, o Príncipe da Paz, que derrame sobre nós a sua paz; que ele nos dê o dom da sabedoria, para escolhermos o bem; e que nos dê a capacidade de, juntos, construirmos a paz.
Salvador, 7 de fevereiro de 2012.
Dom Murilo S. R. Krieger, scj
Arcebispo de São Salvador da Bahia / Primaz do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário